era uma vez em goa de paulo varela gomes

«Houve uns poucos de anos em que a minha vida foi invulgar.
No dia 28 de Outubro de 1963, mais ou menos no princípio desse período, cheguei à fronteira norte do território de Goa e depois de passar pela habitual confusão atabalhoada com passaporte e visto comecei a ver as coisas complicarem‑se porque havia soldados e metralhadoras por todos os lados. Pensei em revoluções, em guerras civis e no facto de que alguém podia ter feito o favor de me avisar disso em Bombay, onde tinha apanhado o autocarro para Goa. Esperei muito tempo a tremer de frio debaixo de um alpendre de chapa ondulada matraqueado raivosamente pela chuva que caía em torrentes tanto no dito alpendre como no terreiro de lama avermelhada e no cetim verde das folhas dos coqueiros.Sentei‑me num pedaço de chão mais ou menos seco, com os ossos moídos da viagem de camioneta, um dia e uma noite desde Bombay, sempre debaixo de chuva, sempre aos tombos e sacudidelas, sempre sem conseguir dormir entre corpos suados e malas, caixas e baús, húmidos, ásperos e pontiagudos.»

A abertura de «Era Uma Vez em Goa», de Paulo Varela Gomes. Nas livrarias a 20 de Fevereiro.

This entry was posted in Geral and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s